Evolução

Supor que um sistema adaptativo aprende com a experiência e com os erros é diferente de supor que, por isso, sua forma posterior será sempre evoluída em relação à anterior exatamente porque traria consigo esse aprendizado. Para que a suposição desse ganho de qualidade pudesse ser absoluta, uma espécie de metafísica hegeliana precisaria estar subjacente. Ela não considera, porém, os problemas do esquecimento e da ignorância. Nem sempre o momento posterior tem consciência do anterior e deixará de cometer os mesmos erros e também, nem sempre, o momento posterior recordará os erros anteriores de forma eficaz o suficiente para os evitar.

André Folloni

Anúncios
Esse post foi publicado em Categorias da complexidade, Complex Adaptive Systems e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s